A Casa da Música Boa - Clique e Ouça!

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Queremos uma resposta

Imprensa, sócios, curiosos, todos estão ansiosos por uma posição definitiva do Esportivo sobre a participação na Copa RS. O tempo está se esgotando e a posição da direção continua a mesma. "Se fosse hoje não iríamos". "Precisamos de um parceiro financeiro". Coisas do tipo. Sinceramente? Cansei disso. O Presidente deveria chamar a imprensa para uma coletiva e assumir de vez que o clube quer ser o XV de Campo Bom. Que daqui pra frente vai se contentar em jogar 3 ou 4 meses e depois fechar as portas para retornar no Gauchão seguinte. O grande problema de pensar assim é que pode, num futuro próximo, o Esportivo acabar como o XV: rebaixado e falido. Não estou desejando isso ao clube, jamais. Menos ainda aos dirigentes que se esforçam para mantê-lo vivo. A única coisa que quero, e peço encarecidamente, é que a diretoria diga algo aos seus torcedores e sócios. Gente que apóia o clube e só quer saber se ele vai ou não dar a contrapartida mínima que um sócio exige: o time entrar em campo. O prazo dado pela Federação Gaúcha de Futebol foi ampliado, mas nem é essa a questão. A Federação tem prazos legais, a paixão do torcedor é um caso à parte. Perder a confiança dele é meio caminho andado rumo ao abismo. Não quero que me entendam mal (apesar de saber que muita gente vai entender assim). Acontece que minha paciência se foi. E não é só a paciência enquanto repórter-comentarista, é a paciência de torcedor mesmo. Me associei ao Esportivo para auxiliar o clube como eu podia, mas não obtendo resultado, sem o time jogando, o caminho é o mesmo de outras dezenas, quem sabe centenas de sócios: trancar a mensalidade e pagá-la só durante o período em que o time estiver disputando alguma competição. Radical diriam uns. Outros me devem estar me chamando de ignorante, mas a situação requer um pouco de radicalismo. Meu prazo para uma posição oficial termina essa semana. Depois disso... bom, isso eu conto em outro post.

Começando a semana

(Foto: Jefferson Botega)
Mais uma semana que começa e os assuntos são tantos que nem sei por onde começar. Acredito que o Grenal e suas possíveis conseqüências mereçam um destaque especial. Não as possíveis conseqüências dentro de campo, mas fora dele. Em meu comentário diário no Viva Bom Dia (segunda à sexta 7h40min) falei hoje sobre a preocupação com as causas que a atitude do goleiro colorado Renan podem ter em sua carreira. Meu temor nada tem a ver com o Tite, treinador experiente e que certamente não pretende "queimar" o garoto. Me preocupo sim com setores da imprenda que podem - e certamente tentarão - fazer dele um vilão. Culpá-lo pela derrota em um lance que qualquer um pode protagonizar é, no mínimo, um desrespeito à boa atuação de Renan, que não havia cometido um erro até então. A defesa que ora faço não tem nada a ver com cores clubísticas, muito pelo contrário. Meu objetivo real é lembrar aos desavisados que a imprensa tendenciosa e mal-intencionada pode, assim como cria mitos, gerar vilãos e crucificá-los sem piedade. Espero que isso não aconteça neste caso, pois a imprensa lá de cima está esperando uma oportunidade como essa pra "enfiar goela abaixo" um goleiro qualquer que esteja jogando em São Paulo ou Rio de Janeiro. Bom dia e excelente semana a todos.

sábado, 28 de junho de 2008

Pra ver, ler, ouvir, cantar e dar uma refletida...



Calma, calma... Naõ tem nada de auto-ajuda. Não tenho paciência pra essas coisas. O fato é que hoje de manhã tirei um tempo pra ouvir algumas coisas que estão arquivadas numa pasta compartilhada pela galera do Jornalismo da Viva News. Umas mais antigas, outras nem tanto. A maioria delas já foi ou vai ser trilha do Papo de Redação, que vai ao ar de segunda à sexta das 18 às 19h. Entre as tantas coletâneas resolvi puxar o acústico do Lenine. Ouvi "Dois Olhos Negros", que tem a participação do visceral Iggor Cavalera e depois, inevitavelmente, cai em tentação e fui ouvir "Paciência". Redescobri que tudo nela é um espetáculo (letra, melodia, a voz do Lenine). O mais incrível é que resolvi abrir um site pra acompanhar a letra. Ela tem umas contradições interessantes como dizer que a vida não pára, sugerindo que temos que correr contra o tempo, e em seguida emendar com um "a vida é tão rara", o que sugere que curtamos cada segundo dela. Não é à toa que Lenine é considerado poeta. Abaixo então, a letra para - como diz o título do post - pra ver, ler, ouvir, cantar e dar uma refletida...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
A vida não pára...

Enquanto o tempo
Acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora
Vou na valsa
A vida é tão rara...

Enquanto todo mundo
Espera a cura do mal
E a loucura finge
Que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência...

O mundo vai girando
Cada vez mais veloz
A gente espera do mundo
E o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão raraTão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Mesmo quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

Será que é tempo
Que lhe falta prá perceber?
Será que temos esse tempo
Prá perder?
E quem quer saber?
A vida é tão rara
Tão rara...

Mesmo quando tudo pede
Um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede
Um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não pára
A vida não pára não...

A vida não pára!...
A vida é tão rara!...

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Quinta-feira, garoa lá fora... cansado do futebol...

Como diria o filósofo: devagar e sempre. A quinta-feira foi agitada e chuvosa e depois do futebol (pra variar meu time ganhou de novo) nada melhor que ficar "jogado pras cobras". Como sei que todo dia tem gente que dá uma passada por aqui antes de dormir, resolvi deixar aquela postagem básica que faz com que estes amigos voltem no dia seguinte. Hoje vou antecipar aos blognautas o contéudo da coluna que será publicada amanhã no Jornal Serra Nossa. Quentinha, recém saída do forno. Amanhã eu volto com algo inédito, aquecendo pro Grenal. Boa noite e bons sonhos a todos.

INVEJÁVEL
Assim classifico a campanha do Esportivo no Estadual Juvenil. O cartel é realmente invejável. São 9 jogos sem uma derrota sequer. Ta certo que foram vários empates, mas há quem diga que o importante mesmo é pontuar. Claro que existem os critérios de desempate e neles uma vitória vale mais que três empates, mas a confiança vem com boas campanhas, sejam elas feitas de muitos empates ou não. A primeira fase está terminando, o time se acertando e, melhor, sem perder.

SEMPRE ALERTA
Sim, sim, eu sei que de nada adiante uma campanha brilhante na primeira fase e passar por ela invicto se nas fases seguintes o ritmo diminuir, as derrotas começarem a chegar e a desclassificação vir – coisa que aconteceu com o time principal no Gauchão, e olha que viveu tudo isso na primeira fase -. O que estou tentando dizer, e acredito estar sendo claro, é que bons resultados geram bons resultados. O time precisava de estabilidade e ela veio de uma maneira que poucos acreditavam ser possível. Agora apaga tudo. A primeira fase é passado e de nada vai valer esse alicerce construído se o acabamento da obra não for feito com competência. Devagar e sempre!

DE OLHO NAS QUADRAS
Preciso confessar que andava um tanto apreensivo com a situação do Bento Vôlei. Não que esteja tranqüilo agora, mas pelas declarações recentes de seus dirigentes passei a acreditar um pouco mais na montagem de uma boa equipe. A saída de vários nomes e a falta de anúncio de contratações já está me obrigando a “pôr as barbas de molho”, mas o Presidente Lovera deixou claro que o trabalho de bastidores está sendo feito pensando na montagem de uma equipe competitiva. Interessante ele dizer que acreditava ter um grupo qualificado para a temporada passada e que este não deu, na prática, a resposta esperada. Isso quer dizer que a manutenção do grupo, pelo entrosamento principalmente, não é prioridade. Como tudo na vida há o lado bom e o lado ruim. Prefiro acreditar que neste caso só há o lado bom. Não quero acreditar que a demora nas contratações e a perda de jogadores tem a ver com “quebra financeira”.

O ANÚNCIO
Está todo mundo de olhos e ouvidos bem atentos para o esperado anúncio oficial: O ESPORTIVO VAI PARTICIPAR DA COPA-RS!!! Até onde sei – e até o fechamento desta edição não tenho nada de oficial não tem nada de novo. Só mesmo diz-que-me-diz-que, boatos de que um investidor vai garantir o alviazul na Copinha, que deve participar, mesmo que com um grupo jovem para fazer laboratório... Olha gente, me perdoem os dirigentes do Esportivo, mas essa situação não condiz com a grandeza do clube. Independente do que houve em outros tempos, de onde vai vir o dinheiro, que vai bancar e quem vai a campo, já era para ter confirmado a participação logo que o Gauchão terminou para o time de Bento. Quanta gente poderia estar se mobilizando agora? Muita gente pode estar discordando de mim neste momento, mas não posso dizer que está tudo maravilhoso, pois não está. Cadê a coragem? Tempo perdido não se recupera jamais.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Assunto encerrado... por enquanto

É, parece que a galera aqui anda "pipocando". Apenas o corajoso Celso Barp e eu arriscamos um esboço de seleção renovada. O povo continua acessando o site, mas, por razões desconhecidas não se arriscou muito. Talvez por não ser este o assunto favorito, talvez pelo fato de concordar com as escalações postadas, talvez por dezenas de razões que eu desconheço. Sem stress. Em breve o assunto volta à tona. Quem sabe depois de mais um mico pelas Eliminatórias? O assunto agora é GreNal. Domingo tem festa (e espero que só festa mesmo) no Olímpico. Com pouca participação dos torcedores colorados, é verdade, mas clássico em azul e vermelho é sempre um espetáculo à parte. Favorito? Já dizia o sábio filósofo (que também era pipoqueiro): clássico não tem favorito. Pelo momento no campeonato o Grêmio se credencia a vencer, mas e base que o Inter possui? Bem treinada pode dar resultado, principalmente num momento que costuma ser marcado por muita superação. O Grêmio de Pedro Junior já ganhou Gauchão no Beira-Rio (e me limito a citar o fato recente por saber que existem dezenas de outros exemplos). Uma coisa é certa. A derrota do Grêmio no clássico terá efeitos bem menos devastadores pros lados da Azenha. Já o Inter, perdendo pode piorar ainda mais uma fase que é de contestações e de dificuldades dentro de campo. Alguém aí vai arriscar palpite? À vontade...

domingo, 22 de junho de 2008

Renovando a seleção...

Dando seqüência ao processo de renovação da Seleção Brasileira, aquela que o Dunga garante estar fazendo, vou deixar hoje minha escalação - sujeita a críticas, claro -. Pra quem não vem acompanhando, no tópico "Não seleção, assim não!!!! ", postado no dia seguinte ao 0x0 entre Brasil e Argentina, eu fiz um desafio aos blognautas de plantão para que postassem "suas seleções". O primeiro a topar o desafio foi o Celso Barp, que avalisou minha sugestão de dispensar algumas figuras jurássicas da seleção. Minha seleção também não é muito diferente da postada pelo Celso. Quem sabe até o fim deste debate eu não mudo alguns nomes!? Vai saber. Aí está a seleção do técnico Júlio Martins, com numeração e tudo. É mais ou menos pór aí. Tem o Luisão pro lugar do Juan, o Hernanes pode ocupar a vaga do Anderson se alguém achar que o time tá faceirinho demais ou até mesmo, seguindo a escalação do Celso, dá pra adiantar o Anderson e colocar o Ronaldinho na vaga do Robinho que não tá jogando nada. Mesmo assim ele ainda tem uma vaga.
12- Júlio César
2- Daniel Alves (Léo Moura pro banco, não Maicon)
3- Lúcio (depois da Olimpíada Léo ou Breno)
4- Juan
6- Marcelo
5- Lucas
7- Anderson
8- Kaká
10- Ronaldinho
9- Pato
11- Robinho

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Inverno chegando

Em alguns minutos o inverno chega de forma definitiva. Meu primeiro inverno completo na Serra. Tomara que o frio não me faça sair correndo. Que nada! Quem veio do frio de Santiago não se mixa pra qualquer frio. O assunto do tópico anterior segue valendo. Quero uma escalação de seleção com caras novas. O Celso Barp já se atreveu a abrir os trabalhos e vejo que pensamos parecido. Espero que os palpites não parem por aí. No final de semana deixou "meu time". Enquanto isso, como hoje é sexta, dia de Serra Nossa, reproduzo aqui a coluna publicada na edição de hoje. Grande abraço a todos, boa chegada (chegada!?) de frio e até amanhã.

AGORA VAI
Há algum tempo venho afirmando aqui que o Esportivo vai para a Copa-RS. E não estou me vangloriando por isso, apenas faço porque acredito que uma direção que pensa grande, que vê longe, não pode deixar de participar de uma competição local com o único argumento de que não tem recursos. Entendo que se arrecada pouco, que há dívidas a serem pagas, mas isso não entra na minha cabeça. De março pra cá só se ouve falar de hipóteses, de uma possível parceria que ajudará na disputa, mas nada de concreto. Acredito que o momento chegou ou pelo menos nunca se esteve tão perto. Que bom que nossos dirigentes estão pensando o futuro hoje, pois numa dessas, daqui um tempo estaremos nos questionando sobre disputar ou não o Gauchão.

EMBALADO
Assim está o Esportivo Juvenil. Depois de experimentar o sabor da vitória o alviazul não sabe mais o que é derrota. Em meu comentário esportivo diário (de segunda à sexta, às 7h40min, na Viva News) destaquei esta semana o quanto é importante crescer dentro de uma competição, principalmente no formato do Gauchão Juvenil. Os temidos “mata-mata” só acontecem a partir das semifinais, ou seja, o time que conseguir ganhar consistência dentro de campo, que se entrosar mais rapidamente, encontrar sua melhor condição técnica e tática e, claro, conseguir somar pontos suficientes, vai galgando degrau por degrau uma vaga na reta final. Assim está o Esportivo. Invicto, com confiança, entrosado, bem treinado e com pontos suficientes para brigar pela ponta de cima da tabela. A primeira batalha já foi vencida. Passar à segunda fase aumenta também a responsabilidade de todos. Tomara que a turma tenha pique e “segure a peteca”. Um pouco mais de embalo e já dá pra falar em disputar o título. Uma coisa de cada vez, claro.

MANTENDO A MÉDIA
Mantenho a impressão que tive desde que aqui cheguei em julho passado. O futebol amador de Bento Gonçalves é muito forte. Tem muita qualidade por estes gramados da cidade e até mesmo do interior. Prova disso são os bons jogos que os freqüentadores dos estádios têm visto. Que as coisas continuem assim e, o melhor de tudo: fatos negativos, como a violência, continuem bem longe. Que os estádio de futebol locais continuem sendo freqüentados pela família de Bento.

A DUPLA EM ALTA
A combinação Tite-Fernando Carvalho tem tudo para dar certo e recolocar o Inter no lugar merecido na tabela do Brasileirão. Óbvio que não é só isso. Não basta ter bons profissionais do lado de fora, motivadores como são, se o time em campo está caindo em pedaços. A saída de Fernandão e a possibilidade de outras saídas assusta o torcedor colorado. Se isso tranqüiliza, a impressão que tenho à distância é uma nuvem passageira e, como diz a música, com o vento se vai. Pelos lados da Azenha, Celso Roth continua fazendo bem feito, ainda que continuem paralelas as críticas ao seu trabalho. Olhem para o time do Grêmio hoje e me digam se o Roth não está tirando “leite de pedra”. Ser vice-líder do Brasileirão com essa equipe limitada está fazendo muita gente rever conceitos a respeito do contestado trabalho de Roth. Eu sou um deles. Mesmo assim, tem gente que não dá o braço a torcer.

A GANGORRA II
Final de semana que vem tem GreNal. Será que a velha história do “quem perde não se recupera” vai prevalecer. Acredito que neste momento não.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Não seleção, assim não!!!!

Hoje pela manhã, em meu comentário diário na Viva News (www.radioviva.com.br/viva890) disse que não assisto mais a jogos da seleção brasileira até que ela volte a ser a seleção que os brasileiros querem e gostam de ver jogar. Me recuso a ver aquilo que fui obrigado a ver no domingo, com direito a reprise na quarta (fui obrigado porque fizemos a transmissão via tubo). Nada contra o Dunga, que fique claro que não é nada pessoal, pois sou seu admirador, como jogador. O discurso de renovação não combina com a proposta de jogo e a escalação que ele tem levado a campo. Gilberto, Gilberto Silva, Mineiro, Adriano... Isso é renovação? Se é pra renovar, coloca o Pato em campo, leva o Léo Moura pra ser lateral direito, o Hernanes pra ser volante. Daqui a pouco ele ta chamando Cafu, Roberto Carlos, Romário. Quando vê até o Mauro Silva ta de volta. Talvez o Túlio Maravilha pra resolver o problema da falta de gols!? Não quero que o Dunga saia. Principalmente porque não vejo nenhum outro nome em condições de fazer diferente. Apenas gostaria que ele fosse menos “casca grossa”, que realmente promovesse a renovação sem medo de ser feliz. Sei que esse assunto daria muitas e muitas linhas mais, mas prefiro ficar por aqui antes que me torne ácido demais. Meu recado foi dado, então que tal um desafio? Vamos montar uma seleção renovada. É só deixar um comentário aí com a sua escalação. Mas não me venham com “velharias”. Quero uma seleção jovem, com o que há de melhor e capaz de vencer Paraguai e Argentina “com um pé nas costas”. E mesmo que vencesse com dificuldade, que pelo vencesse e nos fizesse sorrir de novo, ouvir o hino nacional arrepiado e cheio de esperança... Vale qualquer esquema. Prometo que também vou postar a minha amanhã ou depois, mas não quero ser o primeiro. Mãos à obra.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Tô de volta!!!

Vocês não vão acreditar se eu disser que fiquei ausente estes dias todos porque quase congelei de tanto frio. Como sei que não vão, então nem vou tentar esta desculpa. Apesar que não está tão fora da realidade. Nestes dias de frio é muito difícil arranjar coragem pra ligar o computador e ficar por aqui - por mais que o "escritório" seja um dos cômodos mais quentes da casa -. Alguém deve estar pensando que o fim de semana nem esteve tão gelado. Neste caso minha defesa é que estava de plantão no jornalismo da Viva News e ainda narrei aquela coisa horrível que chamaram de jogo de futebol onde a seleção brasileira quase entrou em campo contra o Paraguai. Pois é, o tempo que estou perdendo tentando arranjar desculpas vou investir el algo com consistência. Que tal falar da dupla GreNal. Coisa rara os dois representantes gaúchos vencerem no mesmo final de semana. Do Inter já era de se esperar um bom resultado. De técnico novo - grande aquisição, diga-se de passagem, sem contar que trouxe de volta o Fernando Carvalho ao convívio de vestiário - o colorado apresentaria uma postura diferente e o resultado viria, mesmo com os desfalques. Pelo lado tricolor é que veio a surpresa. Por mais que digam por aí que o Roth tá organizando o time, vencer no Serra Dourada é coisa rara na trajetória recente dos gaúchos. O Grêmio mesmo levou 6x0 não faz muito tempo. Bom momento para os dois lados e indícios de que teremos um GreNal "de fundamento" no dia 29. Antes disso, porém, o Inter precisa voltar a vencer fora de casa, no Barradão.

Pelos lados da Serra, o time Juvenil do Esportivo é só felicidade. Demorou pra começar a vencer e agora embalou de vez. A classificação à próxima fase está assegurada. Espero que o crescimento apresentado pela equipe treinada pelo Alceu se mantenha na fase seguinte. Lá pelos lado do Boqueirão a coisa também vai muito bem, obrigado. No sábado a URI "patrolou" o Gusch, em São Leopoldo e continua na ponta de cima da tabela, figurando entre os grandes do estado, aqueles que disputam a Liga Nacional. Entre os considerados "pequenos" é disparado o melhor time, uma légua e meia à frente de Três Coroas e UCPel. Méritos de uma diretoria que não desiste do sonho de ser grande, de um treinador que já é o melhor do interior do estado há muito tempo e de um elenco jovem, competente e que sabe aprender com quem tem a ensinar. O tom parece de puxa-saquismo, mas não é não. O futsal de Santiago já poderia ter fechado as portas há tempos e não o fez porque lá tem gente que gosta do esporte e quer ver Santiago no topo. Me sinto muito feliz por saber que compartilhei deste sonho e orgulhoso de saber que, mesmo que muitos se opusessem, o meu povo lá não deixou a peteca cair. Nos encontramos pela Serra em breve.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Que frio!

Depois de muita chuva parece que o frio está de volta. Numa noite fria como essa o sono também começa a bater, a coluna pro jornal de quinta (sim, aqui é feriado na sexta) já está pronta e toda a inspiração foi embora. Então, o que faço eu? Publico o vídeo de Veja Bem, Meu Bem. Um som esquecido do Los Hermanos que foi regravado pelo Ney Matogrosso e que redescobrimos sem querer lá na redação da Viva News. É incrível como quase uma década depois a gente pára e ouve com atenção a letra. Uma poesia bacana de uma banda bacana que infelizmente virou pó e só vive ainda em nossa memória (que lindo isso, não!?). Boa noite (fria) a todos e até amanhã.

domingo, 8 de junho de 2008

Fim de findi

Pois é, chegando a mais um "fim de findi" - fim do final de semana pra quem não se liga nas gírias modernas. Tanta coisa pra falar que nem sei por onde começar. Teve a gravação do vice-governador e a crise no governo Yeda, a vitória do Grêmio e a nova derrota do Inter, o sovaco peludo da Geri Halliwell. Mas como estou meio lento e o Rock Gol já começou, vou me permitir postar a coluna que escrevo semanalmente para o Jornal Serra Nossa e é publicada toda sexta-feira. A semana é longa e certamente teremos muitos temas pra discutir aqui. Assim espero. Uma ótima semana a todos. A gente se vê por aí (ou por aqui!)

FALTA DE ESTRUTURA
Não é de hoje que sou crítico em relação à falta de estrutura da cidade para uma série de coisas. Certamente alguém vai levantar e dizer: “Ele acabou de chegar e já tá reclamando”. Sim, desde o dia que escolhi Bento como minha cidade para trabalhar e viver, sou cidadão e como tal tenho esse direito. Feitos os esclarecimentos necessários, vamos direto ao ponto. Bento Gonçalves acaba de perder a chance de sediar uma etapa do Brasileiro de Moto Cross por não ter estrutura para receber a “caravana” e toda sua parafernália. O simples fato de não ter tal estrutura não tem nada demais, afinal de contas, nenhuma cidade é obrigada a estar adequada a tudo. O que impressiona é um município que tem tantos praticantes da motovelocidade não possuir espaços para a prática decente do esporte sobre duas rodas, seja qual for a categoria.

FALTA DE ESTRUTURA II
Quem vive o esporte em Bento tem a noção do quanto as motos movimentam a economia do município. Até mesmo quem não vive este dia-a-dia tem esta noção. Uma etapa do Campeonato Brasileiro de qualquer categoria poderia fazer a economia girar como em poucos outros eventos. Hotéis, comércio, enfim, todos ganhariam com isso. Infelizmente ainda não temos esse preparo, mas, acredita-se que com imprevistos como esse as autoridades ditas competentes vão acordar e repensar alguns pequenos detalhes que podem fazer a diferença logo ali adiante. E agora não estou só falando do esporte.

O PRIMEIRO PASSO

Infelizmente não pude acompanhar o primeiro final de semana de debates do Planejamento Estratégico do Esportivo, mas tenho certeza que muita coisa boa poderá ser tirada destes encontros promovidos pela direção alviazul. Como venho falando há tempos, o fato de abrir espaço para novas e diferentes opiniões já demonstra o quanto a direção está de cabeça aberta e de olho no futuro. No próximo fim de semana tem mais. Desta vez estarei por lá para acompanhar de perto.

ENQUANTO ISSO...
Dentro de campo o time Juvenil encontrou o caminho das vitórias e já está em segundo no grupo. Beleza! É assim que se faz. Tirar proveito do fato de o adversário não ter vencido um jogo sequer é mérito do treinador e de seus comandados. Sempre estou usando a frase: “Enfrentar o bêbado pode ser fatal. Se bater nele não fez mais que a obrigação, agora, apanhar do bêbado é vexame”. Foi isso que os comandados do Alceu fizeram. Cruzaram com “o bêbado” duas vezes e bateram nele. Não fizeram mais que a obrigação, é verdade, mas pelo menos fizeram. Pior seria deixar escapar pontos diante do lanterna. O momento é bom e deve render novos frutos, principalmente se um resultado positivo vier contra o Garibaldi no sábado. De novo, por jogar em casa, o alviazul tem a obrigação de vencer. Fazendo o dever de casa começa a encaminhar, definitivamente, a classificação à próxima fase.

SÓ PRA RELEMBRAR
Viram o Abel? Campeão da Libertadores e do Mundo deixou o Inter pela falta de bons resultados. E olha que ele nem perdeu tantos jogos assim. Lembram do Gauchão? Teve técnico perdendo quatro seguidas e “passaram a mão na cabeça dele”.

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Recomeçando

Acredito que devo explicações a todos que passaram por aqui nos últimos dias, já que praticamente abandonei o blog. Vou resumir tudo em poucas linhas. Na semana passada tive problemas sérios com a internet que não funcionava nem "a pau". Ela só voltou a funcionar no domingo de manhã. No mesmo domingo, logo após o almoço, recebi uma notícia que jamais gostaria de ter recebido. A Dona Juracy, minha Vó-Mãe (muito mais mãe do que vó) havia partido. Os problemas de saúde dela já vinham de algumas semanas e no domingo o coração desta grande guerreira deixou de bater para tristeza de todos que a conheciam e a amavam. Fui às pressas para Santiago me despedir dela. Dar o último beijo na face de uma das pessoas mais importantes da minha vida nestes quase 33 anos de trajetória. Ela me ensinou muita coisa. Praticamente tudo que sei veio dos ensinamentos desta ariana batalhadora que passou por maus bocados, mas nunca desistiu e nos ensinou a ser do mesmo jeito. Da minha volta de Santiago na quarta até hoje ainda não havia criado coragem para postar nada porque não sabia o que escrever, nem por onde começar. Agradeço pelo carinho de todos. Os que visitaram o blog, os que enviaram recados pelo orkut, que ligaram... É muito bom saber que tem muita gente por aí que gosta da gente. A partir de hoje retomo os trabalhos, afinal de contas a Dona Juracy não iria gostar de saber que eu fiquei preguiçoso ou que baixei a cabeça. A vida segue e tenho certeza que onde ela estiver continua olhando por mim e por todos nós (Eu, Ieda, Seu Gaspar, Dona Sonia, Tia Doce, Dan, Michele e o pequeno ou pequena que chega em janeiro). Tenho certeza que a essa altura ela e o Vô Ribeiro estão matando a saudade (e até batendo boca um pouquinho pra lembrar os velhos tempos).