A Casa da Música Boa - Clique e Ouça!

quinta-feira, 31 de julho de 2008

Os tempos são outros

Qual a diferença entre o Grêmio do Brasileirão 2007 e o de hoje? Técnica e taticamente não há muito pra se comentar. Individualmente e coletivamente a equipe tem muitas semelhanças com o time treinado por Mano Menezes. A filosofia de trabalho do Roth também não é assim tão diferente. Então, o que tem esse Grêmio que o outro não tem? Tem os pontos conquistados fora de casa, as vitórias fora de seu território, coisa que nos tempos do Mano Menezes eram coisa rara. E aí, é preciso que se dê méritos ao bom comando do Celso Roth. Se todas as comparações apontam diferenças tão pequenas, o diferencial pode estar no banco de reservas. Mesmo contestado, Roth apostou em alguns jogadores, na formação que considerava ideal e criou uma fórmula consistente de jogo. O Grêmio do Olímpico tem como diferencial apenas o "bafo na nuca" feito pela torcida. Fora isso, mesmo longe da Azenha tem a mesma proposta, no mínimo interessante, de jogar no erro do adversário. É verdade que em alguns momentos, como nos minutos finais contra o Coritiba, abdica de atacar e proporciona uma pressão que poderia ser evitada, mas esse não um mal exclusivo do tricolor. Qual o time que vencendo fora de casa não recua. O excesso pode ser letal, mas bem administrado, no máximo mata o torcedor do coração. Se bem que o torcedor não tá nem aí. O que interessa mesmo é estar na liderança e ver o rival bem longe da ponta de cima da tabela.

A saga continua

Acredito que os problemas do Internacional com os adversários que estão rondando o rebaixamento é algo que vai além das situações normais de jogo, já deixei isso bem claro, porém hoje não vou entrar no mérito da questão, até porque isso parece inexplicável, ao menos pra mim e toda a torcida colorada. Para o jogo de ontem cabe a justificativa de que jogadores importantes (essenciais, eu diria) estavam de fora. Sem Nilmar e Alex algumas fraquezas ficam evidentes. Do lado de fora do campo podem estar as soluções. Eu disse podem. D'Alessadro e Daniel Carvalho chegaram e se juntam a Gustavo Nery e Bolívar para dar uma nova cara ao Inter que segue instável no Brasileirão e espera se (re)organizar para chegar pelo menos à Libertadores no ano de seu centenário. Muita gente anda me perguntando se o argentino D'Alessandro joga tudo isso que andam anunciando. Tenho sido honesto com todos, pelo que vi ele jogar um tempo atrás ele é um reforço de peso mesmo. Não sei como ele estava no San Lorenzo, nem porque não vingou na Europa, mas tem habilidade, velocidade e a famosa garra argentina, portanto, tem tudo pra dar certo. Uma coisa é certa, se ele não conseguir vingar com a camisa vermelha, certamente será bem recebido no meio artístico. Na apresentação no Beira-Rio ele exibiu um visual que poderia ser definido como uma mistura de New Kids on the Block (lembram deles!?) com Dado Dolabella.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

A que ponto chegamos

Estou sempre me perguntando qual o limite do ser homem quando ele quer aparecer. A cada dia que passa fico mais distante desta conclusão. O ser humano não tem limites neste caso. Quando se quer chamar a atenção de forma mais acentuada tudo é válido, pelo menos é a impressão que fica. Um Padre que voa com balões de festa de aniversário, por exemplo, é a demosntração de que quando a pessoa não tem o que fazer e quer se mostrar é capaz de bizarrices que nem ele mesmo acredita. Neste caso, o Padre sem noção, acabou no mar e gerou uma tragédia. Trágico também é saber que uma mulher, uma bela morena brasileira, colocou 3 litros e meio de silicone em cada seio pra ficar famosa e entrar para o Livro dos Recordes. Isso á seria uma aberração. Imaginem alguém carregar um peso destes!? Pois não é que a tal de Sheila Hershey (que nome artístico mais bagaceiro!!!) fez isso e não se deu por contente. Andam dizendo por aí que ela pretende ampliar essa carga e passar a ostentar 8 litros em cada seio. Vai ser bizarro assim na... bom, deixa pra lá! Tá certo que ela fez isso para superar uma argentina, e ninguém gosta de perder pra Argentina, nem mesmo em cuspe à distância, mas tenha paciência...

terça-feira, 29 de julho de 2008

Em péssima hora!

Pode até parecer um tanto ransoso da minha parte, mas não acho que o momento escolhido pela direção do Esportivo para lançar um concurso de escolha do mascote seja o ideal. Pra mim soa como "tapa-furo", pra tentar fazer o torcedor esquecer que está frustrado com a parada forçada do time. Óbvio que não é isso, mas que parece, parece. O tal concurso já vinha sendo ensaiado desde o Gauchão, então porque só agora foi lançado? Justo no momento que 3 em cada 5 torcedores quer "rasgar a carteira". Sempre deixei claro que entendo os motivos do Esportivo para ficar de fora da Copa RS, por exemplo, mas não acredito que escolher o mascote seja a solução para os problemas. Me perdoem pelo "azedume", mas escolher mascote a essa altura é coisa de quem tá sem o que fazer. De que adianta planejamento estratégico se não se planeja sequer o momento mais apropriado para lançar uma campanha que motive torcedores e sócios? Não sei se sou eu que estou totalmente "fora da casinha" ou se a coisa tá feia mesmo do lado de lá. Mas, vamos deixar que o tempo mostre que estou errado (e torço por isso, de verdade).

Mudando de assunto, só pra encerrar, alguém apostaria na permanência do Nilmar depois do fechamento da "janela européia"? O mesmo presidente que diz que Nilmar não sai também dizia que nçao tinha interesse no D'Alessandro e que o Abel não sairia...

segunda-feira, 28 de julho de 2008

Dia de agradecer

A segunda-feira foi péssima. Minha produção ficou muito abaixo da média, além do dia ter sido chuvoso, preguiçoso e modorrento (como diria o Jacintho Junior). Mas o que isso tem a ver com "dia de agradecer". Tudo. Num dia em que quase nada dá certo, falta inspiração até pra blogar, pra postar algo que chame a atenção dos que todo dia passam por aqui pra ler algo novo, com conteúdo ou que os faça rir, mesmo que de tão bizarro que seja o texto publicado.

Por essa razão escolhi o dia de hoje para agradecer o carinho, a paciência e a visita de todos. Todo dia receber "spam" do Júlio Martins deve encher a paciência as vezes. Tô aqui hoje só pra agradecer mesmo pelas visitas, pelas parcerias surgidas nos últimos tempos, mas principalmente pela atenção que alguns de vocês têm dedicado ao meu "trabalho blogueiro", nem sempre tão inspirado. No momento que escrevo este post, o contador registra 801 visitas desde o dia 1º de julho. É a terceira melhor marca do blog desde que foi criado em outubro do ano passado, ainda embalado pelo blog anterior que sempr teve números consideráveis lá na "boa terra", antes de vir pra Bento. Creio eu que nos próximos 3 dias, com a colaboração dos amigos, possa chegar próximo da maior marca, ultrapassando também a marca de 6.600 acessos. Números que não impressionam e nem têm essa intenção, mas que me fazem aumentar a disposição e me obrigam a ser criativo e atualizado pra não deixa na mão os "parceiros" de todos os dias. Brigadão mesmo, espero que continuem vindo sempre aqui. Amanhã tô de volta, com as baterias recarregadas...


Ah, aproveito pra agradecer a postagem do "DOLLYBENTO". Não o conheço pessoalmente (ou coneço e não tô lembrado), mas já vi que temos afinidades (inclusive blogs em comum). Valeu pela parceria!!! Tá nos favoritos pra galera curtir junto com a galera do Papo, o Balbinotti e o Mezzomo. Falou!

domingo, 27 de julho de 2008

É complicado ser "Dupla"

A rivalidade GreNal merece um estudo aprofundado. Entender como uma rivalidade assim pode causar tantos efeitos, não só nos torcedores de Grêmio e Internacional, mas no dia-a-dia dos clubes, tem que ser estudado de forma detalhada, analisando causas e conseqüência desta rivalidade quase centenária. Tô falando bobagem? Acredito que não. Vejam o que aconteceu ontem com o Inter. Menos de 48 horas depois de o Grêmio ter goleado o Figueirense por 7x1 em Florianópolis, o Colorado entrou em campo diante do lanterna do Brasileirão. Condenado ao rebaixamento desde a primeira rodada o Ipatinga seria um adversário a ser batido com certa facilidade, goleado até. Diziam alguns colorados antes do jogo: "se o Grêmio fez 7 no Figueirense, vamos fazer 8 no Ipatinga". Teve gente que falou em 14. Loucura né!? E não é que o Inter conseguiu a façanha de perder o jogo? Praticamente com o mesmo time que deu um banho de bola no São Paulo, o colorado sucumbiu diante de um time quase sem perspectivas. Alguém aí arriscaria dizer que a boa fase do Grêmio e que o resultado elástico da quinta não teve influência na autação vermelha? Não tem explicação - ou até tem, e por isso mereceria ser estudado -. Outras situações ao longo da história também demonstram essa realidade que muitas vezes castiga torcedores. Enquanto um festeja, comemora grandes conquistas, o outro chora mágoas e se frustra do outro lado. Faz parte e é algo que talvez só possa ser proporcionado por esta rivalidade tipicamente gaúcha.

sábado, 26 de julho de 2008

Pouca vogal, muita qualidade

Naquela famosa navegada que costumo dar pra me manter atualizado, um mal necessário, li uma notícia que deixou pra lá de satisfeito. Poucas horas depois de ficar sabendo das "férias" anunciadas por Humberto Gessinger (o Engenheiros do Hawaii pára por tempo indeterminado), descubro que a mente hiperativa do alemão já tem planos para este período de "inércia" que alguns podem ter imaginado. Só doido pra acreditar que Humberto iria ficar parado. O melhor dessa descoberta é que a criatividade do líder de um dos ícones do rock nacional vai fazer parceria à criativade e bom gosto de outra ferinha do rock gaúcho, Duca Leindecker - vocalista do Cidadão Quem -. Ele até já vem fazendo participações em apresentações da banda dos irmãos Leidecker. Detalhes sobre o trabalho ainda não estão disponíveis, apenas o nome "Pouca Vogal". Já tô na torcida por uma passagem por Bento.

Ah, antes de me despedir, péssima notícia pros colorado. Terminou Ipatinga 1x0 Inter. Para desespero do vermelhos, o time continua ressuscitando os condenados ao rebaixamento.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Supremacia gaúcha

A rodada do meio de semana do Brasileirão não poderia ter sido melhor para os gaúchos. Ontem o Inter deu um banho de bola no São Paulo e confirmou que é sim candidato ao título deste ano, o que o credenciaria para a Libertadores no festejado centenário. E olha que os reforços ainda nem começaram a treinar. Bem treinado, com reforços de peso e embalado o Colorado deve crescer muito ainda. Hoje foi a noite do Grêmio. Noite inesquecível para seu torcedor, diga-se de passagem. Aplicou 7x1, acabou com a "uruca" diante do Figueirense e de quebra assumiu a liderança. Para quem ainda apostava que o time do Celso Roth é o chamado "cavalo paraguaio", aí está uma prova de que o Grêmio também é candidato. Não com todo o poderio do Inter, mas pela consistência que vem demonstrando jogo após jogo, é candidato sim. De qualquer forma, o meio de semana do Brasileirão serviu para mostrar que o futebol gaúcho está mais vivo e forte do que nunca. Bom para todos nós. O nosso tão desvalorizado futebol, sempre considerado inferior ao paulista, ao carioca e até ao mineiro está de volta à tona em dose dupla. Os gaúchos, apenas dois na competição, estão entre os 7 melhores e o Inter está a 3 pontos do 4º colocado. Um momento de luxo que torcemos dure muitas rodadas mais.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Faça a sua análise

O jornal inglês The Sun anda dizendo por aí que a moça da foto, de nome Letizia, é a verdadeira razão da separação do português Cristiano Ronaldo e a esposa Nereira. Segundo o tablóide que gosta de um exagero, Ronaldo teria conhecido a italiano ainda durante seu namoro com Nereida e abandonado tudo pelos belos olhos da italiana que além de modelo e apresentadora. Tire você suas conclusões. Haveria razão pra isso? Eu acho... bom melhor não achar nada!

segunda-feira, 21 de julho de 2008

O volante e seus volantes...

Tomara que eu queime a língua, mas não acredito que vai ser desta que o Brasil trará dos Jogos Olímpicos a tão almejada, sonhada e idolatrada medalha de ouro. Não pela falta de bons valores, mas pela falta de critério para escolha dos melhores. Quando Robinho, que já passou dos 23 anos (ele tem 24), avisou que estava "abandonando a barca", os mais entusiasmados sonharam com um outro atacante capaz de resolver nas horas difíceis, capaz de chamar pra si a responsabilidade e conquistar a medalha "tirando um coelho da cartola", aí o Dunga vai lá e estraga tudo. Não é que o substituto do Robinho vai ser o Ramires, volante do Cruzeiro de Minas. Quem? Volante!? Não Dunga, não!!!! Chama o Nilmar, o Luis Fabiano, até o Ronaldo, mas um volante não. Mais um pra truncar nosso meio de campo e ficar recuando a bola que nem o Gilberto Silva. A última Olimpíada acabou com a vida do Luxa na seleção e parece que o gaúcho que já foi símbolo de uma geração vitoriosa vai seguir o mesmo caminho. Cada um escolhe a cruz que quer carregar. Eu não faria isso porque é um suicídio, mas, tem gosto pra tudo. Como eu disse lá no começo, tomara que eu "queime a língua" e possamos comemorar no final.

As vezes acho que o Dunga aí da foto daria um treinador melhor pra nossa seleção.

domingo, 20 de julho de 2008

Passando a régua...

Neste fim de domingo é necessário fazer uma leitura do final de semana esportivo, principalmente em se tratando de gaúchos. Gostaria mesmo de estar falando do Esportivo, mas não né, aliás, até dá, o Juvenil conseguiu um empate fora de casa na reestréia e, se mantiver a média de bons resultados em seus domínios, pode chegar longe no Estadual. Mas sobre isso posso falar durante a semana. Hoje vou ficar mesmo nos resultados das duplas CaJu e GreNal. Começo pelo sábado. No Olímpico, outra vez o Grêmio fez valer o fator local. Vencer por 1x0 num confronto direto é goleada. Para uma equipe comum, ainda em fase de ajustes, ocupar a vice-liderança é um lucro e tanto. Os resultados ruins do Flamengo também ajudam o torcedor tricolor a sonhar alto. Falta muito ainda, mas nada é impossível. Ainda no sábado o Juventude conseguiu também um resultado expressivo. Resultado (4x0) que não diz o que foi o jogo. Com muita dificuldade o time do Zetti só deslanchou mesmo nos 15 minutos finais. Outra vez o resultado vale mais que tudo. Sem meia dúzia de titulares o alviverde chegou à vice-liderança e está a 3 pontos co Corinthians . Nesse momento é isso que importa. O Caxias também goleou e se credenciou à próxima fase da Série C. Falta bem pouco pra isso. Com o time na mão o Gilson Kleina também pode permitir ao torcedor grená (e aí me me lembro do Celso Barp) sonhar com vôos mais altos. Dinheiro pra investir tem. Na medida que os resultados melhorarem dá até pra pensar em uma Série A pra breve. Devagar e sempre, mas dá. Perceberam que até agora ter um bom treinador no banco tem sido essencial? O resultado do Inter também passa por isso. É bem verdade que o Colorado teve dificuldades e só trouxe um ponto do Recife pela persistência do Nilmar. Essa persistência está fazendo o Tite buscar alternativas, correr atrás do parceiro ideal para aquele que considero o atacante mais perigoso do futebol brasileiro no momento. O Tite conhece e logo esse parceiro ideal vai aparecer. Talvez até seja o Guto, aposta que o Seu Adenor faz enquanto o Abel se borrava de medo de fazer. Friamente analisando, eu diria que o futebol gaúcho vai bem, obrigado! Num momento em que o futebol brasileiro está nivelado por baixo, estar abaixo da média seria catastrófico.

sábado, 19 de julho de 2008

O Dia do Amigo

Gostaria de poder postar aqui a lista dos meus amigos, mas claro, não vou fazer isso pra não correr o risco de magoar algumas pessoas. Não que eu não saiba o nome dos amigos, mas se colocar aqui o nome dos que considero amigos verdadeiros, aí sim, vai ter gente "de cara". A lista de amigos não é aquela do orkut, lá estão adicionados centenas de amigos e também de conhecidos e existe uma grande diferença entre ser conhecido e ser amigo. Mas quem é meu amigo de verdade sabe que o é. Sabe que apesar da distância e até mesmo uma certa falta de contato da minha parte, continua sendo amigo, pois amigos são pra vida toda. Nesta véspera de Dia do Amigo, aproveito este mecanismo chamado internet para abraçar a todos os amigos, em especial aqueles que deixei em Santiago. A distância pode estar nos separando neste momento, mas a amizade não se abala por um punhado de quilômetros. Grande abraço a todos, a gente se vê por aí!

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Só em horário comercial!?

Só depois de um ano em Bento resolvi tirar uma foto em frente a um dos principais cartões postais da cidade, o Chafariz da Via Del Vino, ou a Fontana como alguns preferem chamá-la. Nada demais, sem nostalgias sem nada. Aproveitei a oportunidade porque rarameente posso passear pelo centro em horário comercial e, ultimamente, este tem sido o horário de funcionamento daquele que é considerado um dos 12 atrativos turísticos do centro da cidade. Precisamos avisar aos turistas e às agências do ramo que para curtir o "monumento" é preciso chegar a Bento durante o dia, ou seja, antes da 18h, quando alguém apertao botão e fonte passa a ser uma grande bacia de água em tom de vinho.

Foto: Ieda Beltrão

quarta-feira, 16 de julho de 2008

O capítulo à parte

Quem acompanhou os posts recentes deve estar se perguntando: Por onde anda a Ieda? Pra quem não sabe, Ieda é o nome da Primeira-Dama (aquela que manda em casa, sabe!?). Pois aos que ficaram curiosos, ela continua firme e forte ao meu lado. Quem acompanha nossa trajetória desde os tempos do Matéria-Prima (nosso jornal particular que durante 8 anos nos deu muitas alegrias e algumas tristezas) sabe que se não fosse pela força desta pequena-grande mulher "a casa teria caído" há muito tempo. Logo que vim pra Serra, ela e as pequenas (nossas cachorras Pink e Betty Boop) ficaram por Santiago. Os primeiros 15 dias por aqui foram solicitários, mas a espera valeu à pena. Hoje curtimos cada momento, dividimos os problemas de trabalho que todos os dias estão por aí, mas nada que afete nossa rotina de bentogonçalves. Nesse ano de vida respirando o ar puro (ou semi-puro) da Serra tudo ainda é muito novo, mas o simples fato de saber que quando se fraqueja tem alguém que gosta mesmo de você ali, do ladinho, pra dar apoio, pra rir, chorar, pra se indignar, pra ser companheira, até pra perder a paciência (isso de ambas as partes) é bom demais. Ieda Beltrão é o nome dela. O que seria de mim sem ela?

terça-feira, 15 de julho de 2008

O capítulo final

Encerrando a história que comecei ontem numa espécie de celebração do meu primeiro ano em Bento, não poderia deixar de citar a família do amigo Tilico. Conterrâneo, vindo há pouco de Santiago ele literalmente me encontrou em Farroupilha onde tinha ido assistir o jogo do Santiago Futsal. Depois do jogo eu descobri que era tarde demais pra pegar um ônibus pra Bento e teria que voltar pra Caxias, passar à noite num hotel. O Tilico sempre muito gente boa resolveu me dar uma carona até a rodoviária para saber que horas saía o primeiro bus de domingo pra terra do vinho. Quando chegamos lá ele resolveu que iria ficar na casa dele. Pior que eu não estava sozinho, o pessoal da União dos Corredores de Rua de Santiago estava junto e também acabou passando a noite lá. Ocupamos todos os espaços disponíveis da casa e mais um pouco. Jamais vou esquecer da atenção e o recebidos. Mesmo muito longe da minha casa, me senti como se nela estivesse. Na chegada em Bento no domingo de manhã aproveitei pra colocar ordem na casa (ou na parte da casa que "me tocava"), afinal de contas nos primeiros 15 dias eu dividiria o espaço com o Bandeira. deste dia em diante (15 de julho de 2008) minha vida tem sido intensa. Conheci muita gente, trabalhei bastante, adquiri muita experiência e hoje posso me considerar um cidadão bentogonçalvense, sem, é óbvio, jamais esquecer da minha terra querida, onde passei os primeiros 32 anos de vida. Nesse meio tempo perdi uma das pessoas mais importantes da minha vida. A Dona Juracy, minha vó no papel, mas a mãe que todos gostariam de ter, nos deixou exatamente um mês antes de eu completar meus 33. Se foi daqui, porque tenho certeza que ela ainda está por perto, me guiando e "puxando minha orelha". O dia 15 de julho ganhou um sabor especial porque desde hoje recebi da chefia a imcumbência de tocar adiante o projeto radiofônico do EsporteBR. Quis o destino que no dia 15 de julho eu estreasse no comando do programa de esporte e música de SP3 (segunda à sexta, das 19 às 20h - 92,5FM ou http://www.radiosp3.com.br/). É isso aí! Amanhã completo um ano de RSCOM, pronto pra novos desafios e muitos anos de Serra pela frente.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

14 de julho: Farroupilha

Sei que para muitos a história que vou contar pode até não interessar, mas, como para mim é resolvi publicar. Vai que alguém se identifica. Na verdade eu pretendi ter começado ontem, mas a correria foi tão grande que não consegui. O 13 de julho para mim tem uma importância incrível. Foi nesse dia que comecei aquela que considero a maior guinada na minha. Não só pelo lado profissional, mas em todos os sentidos. Na tarde do dia 13, uma sexta-feira, diga-se de passagem, eu embarquei com a delegação do Santiago Futsal em direção à Serra. Viria de qualquer jeito, pois tínhamos a transmissão de um jogo com a AFF na noite do sábado. Mas essa viagem foi diferente de todas as dezenas que fiz ao longo dos anos com o time que aprendi a torcer. Vim pra Serra pra ficar. Deixei a Rádio que me projetou, os amigos que fiz durante décadas, os admiradores do meu trabalho, os que não gostavam também ficaram por Santiago (graças a Deus) e, claro, minha família, que infelizmente foi incluída neste "pacote" de mudanças. É deles que sinto falta, e nem poderia ser diferente (mas a sessão nostalgia fica pra depois, num outro post). Saímos de lá em direção a Caxias, onde chegamos no meio da noite. Muita coisa passando pela cabeça, até mesmo aquele medo normal da nova realidade. A vinda para Bento tinha consistência, afinal estava vindo trabalhar num dos maiores grupos de comunicação da região e pra chegar aqui algum motivo havia além do grande poder de influência do amigo Paulo Bandeira. De qualquer forma, o medo do novo e suas conseqüências assusta. O dia terminou com uma bela noite de sono. Isso porque no dia seguinte eu viajaria cedo (ou nem tão cedo assim) até Bento para conversar com o Gerente da Viva (hoje Viva News). A conversa com o Carlos Quadros foi tranqüila e o aviso era claro: tu não vem pra cá pra fazer só esporte. Outra mudança de hábitos, afinal nos últimos anos o meu foco de trabalho era só esse. Tudo bem, mãos à obra e de volta a Caxias, com passagem marcada para Farroupilha antes da parada definitiva na cidade onde estou completando um ano amanhã. O dia 14 foi barra pesada. Durante a transmissão do jogo lá no Saturno parecia que havia algo trancando a passagem da saliva. Me despedir de grandes parceiros e eternos amigos no ar foi marcante, mas a vida seguia. Catorze de julho, Farroupilha... boas recordações. Depois disso voltei a Caxias... Mas isso eu conto amanhã.

sábado, 12 de julho de 2008

Que coisa!

Navegando a gente sempre acha notícias interessantes, sem graça, inusitadas. Esssa daí é da série "inacreditável", mas é verdade. É o que sempre tô dizendo, acredite que você consegue, sempre. Mas antes do texto, um resgistro que julgo importante. Segundo um desses sites de fofoca, a espetacular Angelina Jolie deu às luz a duas meninas, por volta das 18h, horário brasileiro. Se puxarem à mãe...

Mendiga indiana abre conta com 91 kg de moedas
Uma mendiga de Calcutá, na Índia, depositou 91 kg de moedas economizadas ao longo de 44 anos nas ruas da cidade, possibilitando a abertura de uma conta bancária e a candidatura a um cartão de crédito. Autoridades afirmam que Laxmi Das, de 60 anos, conseguiu juntar 30 mil rúpias (cerca de R$ 1,1 mil) em quatro baldes de moedas, algumas datadas até de 1961 e já sem validade. "Mas vamos aceitar estas moedas também, pois ela é pobre e precisa de todo nosso apoio", disse o porta-voz do Banco Central da Índia, Shantanu Neogy.
Neogy afirma que existe uma diretriz do Banco Central para aceitar todas as moedas já sem validade e reembolsar o depositante. PossessivaLaxmi Das começou a pedir esmolas perto de Hatibagan, um cruzamento movimentado do norte de Calcutá, quando ainda tinha 16 anos de idade. "Ela gastava pouco do que coletava por dia e economizava as moedas. Ela era muito possessiva com elas", disse a irmã da mendiga, Asha.
Das guardava as moedas em baldes cobertos com tecido de juta em sua casa, numa favela perto do cruzamento. Para os funcionários do banco, a mendiga afirmou que guardava as moedas para quando chegasse à "velhice" e precisasse de um plano de aposentadoria, quando ficasse idosa demais para pedir dinheiro nas ruas. Das afirmou que a polícia a encorajou a fazer o depósito, pois eles temiam que as moedas pudessem ser roubadas. "Não é seguro para ela manter as moedas na favela, agora que as pessoas sabem", disse o policial Baidyanath Saha. "Uma conta no banco será a melhor opção para suas economias." ContandoOs funcionários do banco afirmaram que ainda estão contando as milhares de moedas e não sabem qual é a quantia exata, pois ainda há "muitas moedas para serem contadas". Depois da abertura da conta, as autoridades do Banco Central da Índia vão aconselhar Das sobre o melhor uso para o dinheiro. Laxmi Das parece ter ignorado - ou não sabia - que existe uma fraude comum nesta parte do mundo. Velhas moedas indianas são contrabandeadas e derretidas em Bangladesh, para a fabricação de lâminas de barbear, que são vendidas por um valor sete vezes maior do que seu valor original, como moedas. O esquema causou a falta de moedas no leste da Índia, obrigando o governo a diminuir a quantidade de metal que usam para fabricar as moedas.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Fim de semana chegando

O fim de semana tá chegando e com ele a expectativa de muito trabalho. Estarei no plantão do Jornalismo da Viva News, torcendo pra que seja calminho, calminho. Mas não estou aqui para falar do que vai acontecer e sim do que tem acontecido. Hoje o destaque especial vai para a "farra que virou sujeira". O que era pra ser uma festinha pós jogo de alguns jogadores do Flamengo virou fococa nacional, com direito a jogador pedindo desculpas à torcida. Perdir desculpas até pode amenizar a situação deles. O problema agora é que terão que andar na linha dentro e fora de campo, o tempo todo. Uma atuação apagada será motivo de críticas. E quem conhece a realidade do futebol carioca, especialmente do Flamengo, sabe que a pressão é forte. Mas, como não tenho nada a ver com a história, aí vai uma dica, caso a rapaziada resolva dar outra escapadinha:

"Um bordel de Nevada, nos Estados Unidos, está atraindo novos clientes com uma promoção que mistura mulher e gasolina. A cada US$ 300 (R$ 480) gastos na casa, os clientes do Shady Lady Ranch ganham um vale-gasolina de US$ 50 dólares. Esse preço garante uma hora de serviços das moças do bordel. O proprietário disse que a procura explodiu e que teve de encomendar mais US$ 1 mil em vales. A primeira remessa evaporou em uma semana. O criativo bordel fica na cidade de Beatty, a 210 quilômetros de Las Vegas. Os US$ 50 devem ser suficientes para cobrir os custos dessa viagem. O preço da gasolina nos Estados Unidos chegou a US$ 4,08 por galão na semana passada. Um galão tem 3,8 litros. O litro custa, portanto, US$ 1,07. Os US$ 50 do vale-combustível compram 46,7 litros de gasolina. Um carro que faça 10 quilômetros por litro será capaz de rodar 467 quilômetros com o vale.
Os bordéis são ilegais na maior parte do território norte-americano, com exceção de alguns lugares em Nevada.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Bento, futebol, Madonna e outras cositas más

Pois é, estamos de volta. A quinta-feira foi um dia de muito trabalho - aliás, os dias têm sido bastante corridos -. Agora pouco fiquei sabendo que a Polícia de Bento prendeu gente com concaína. Outro dia foi crack. Caramba! Onde vamos parar. Ontem à noite a Brigada movimentou a noite da Capital do Vinho com uma senhora blitz. O objetivo: conscientizar os bentogonçalvenses que bebida e direção não combinam. Tarefa complicada, mas que tenho certeza vale à pena. O futuro vai mostrar isso. No futebol, a noite de hoje foi um fracasso só. Claro que tô falando do nosso famoso futsal das quintas-feiras no Aparecida. O time de azul (do qual eu fazia parte ao lado do Xandão, Quadros, Gabriel, Tajes e o Dudo) foi "patrolado". Dá pra dizer que hoje o time deu WO. Péssima jornada, mas não dá nada, quinta que vem tamo lá de novo. De vez em quando tem que perder pra equilibrar e não criar rivalidade fora das quadras (claro que tô brincando! a galera é do bem). Dando um giro pela internê descubro que um site argentino (portanto de confiabilidade duvidosa) anunciou os shows latinos da turnê "Sticky & Sweet Tour", da Madonna. Além da passagem pelo Chile e Argentina, Miss Veronica Ciccone também estará em território tupiniquim. Ainda que dependa da confirmação oficial, ela deve se apresentar 5 vezes (pra ninguém perder mesmo). Os espetáculos (e Madonna sempre dá espetáculo) aconteceriam nos dias 13 e 14 no Maracanã, no Rio, e 17, 18 e 20 de dezembro no estádio do Morumbi, em São Paulo. Pra quem curte, imperdível! Pra finalizar esta postagem, uma homenagem especial à sempre fiel blognauta Tânia, portadora do "bilhete número 6.000". Ela perdeu a passada do acesso 5.000, que valia um presente, mas não perdeu a esperança. Que prêmio que nada!!! Premiação agora só no acesso 10.000. Boa noite e bons sonhos a todos.

terça-feira, 8 de julho de 2008

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Quem é pequeno???

Apesar de até entender as razões que levam o Esportivo a dizer "não" à Copa RS, deixo aqui meu manifesto contrário à posição da direção. A declaração do Presidente Ivan de que o clube está fora da Copinha é frustrante, ainda que eu saiba das dificuldades vividas pelo clube, dos problemas financeiros que vêm desde o tempo "do êpa", não consigo trabalhar com a idéia de que o time do coração dos bentogonçalvenses ficará fora de uma competição que pode contar com a presença do Estrela, do Milan de Júlio de Castilhos... A Copinha pode até ser considerada deficitária para muitos, mas pode também ser utilizada, de forma inteligente, como laboratório e auxiliar no surgimento de novos talentos. Não vamos muito longe, o Caxias pretende ir pra Copa com um misto de juniores e reservas. Claro que a realidade financeira é outra, mas a visão de futebol também é. Por que não aproveitar alguns benefícios por parte da Federação e buscar um complemento que permita ao time estar na vitrine também no segundo semestre? Claro que é fácil para o Júlio Martins criticar, pois está do lado de fora, mas não é apenas uma crítica. Minha frustração vem do fato de ser torcedor do Esportivo, de querer ver o time na vitrine, de vê-lo em campo contra qualquer que seja o adversário. Tente explicar ao torcedor tal ausência!? O único título estadual do alviazul vem da Copa RS. Se hoje é difícil manter uma base forte jogando o ano todo, o que dizer de um clube que só joga 3 meses por ano? Diga ao torcedor que ele precisa continuar contribuindo. Mas contribuir pra quê? Pra ver o time na Segundona em 1 ou 2 anos? Diga ao torcedor que está se pensando no futuro e ele dirá: "Mas e no presente, quem está pensando?". Infelizmente a realidade é esta. O Esportivo "no estaleiro", enquanto o torcedor é obrigado a engolir outras equipes, sem expressão alguma, ocupando lugar de grandes como o time de Bento. Se é que ainda dá pra considerá-lo assim. Do jeito que as coisas andam, em breve o Tivo não será tão grande assim. Tomara que eu esteja errado.

domingo, 6 de julho de 2008

Recuperando...

Pra quem não teve oportunidade de conferir no Jornal Serra Nossa da sexta-feira, posto agora na íntegra a coluna publicada na edição mais recente. Se der eu volto mais tarde pra daruma analisada do Brasileirão. Caso contrário, a gente se vê amanhã.

CHOVENDO NO MOLHADO?
Cá estou eu, de novo, falando do Esportivo e da participação na Copa RS. E quero que fique bem claro que retomo o assunto porque o prazo para confirmação do clube na competição se esgotou esta semana. A Federação Gaúcha de Futebol resolveu prorrogar o tal prazo, mas, pelo andar da carruagem, amigo torcedor, vamos ter mesmo que ficar assistindo a times medíocres entrando em campo e conviver com lamentações do tipo: “Bem que poderia ser o Esportivo lá”. “O Esportivo poderia ter participado”. “Com esses times aí o Tivo teria chances de ser campeão”. É, parece que vamos ter mesmo que nos contentar em ficar como estamos, ou seja, sem futebol profissional na Montanha por mais seis meses.

E A MOTIVAÇÃO?
Aí me pergunto de novo: Que motivação terá o torcedor para ir a campo ano que vem? Será que a economia de agora vai resultar em contratações de peso para o Gauchão 2009? Ou será que vamos ter de novo um time mediano que surpreenderá no início e sucumbirá logo adiante? Perguntas que só o tempo vai resolver, porque a direção do Esportivo não tem condições de respondê-las a esta altura do campeonato. Quem sabe no futuro, aquele do planejamento estratégico, tudo isso dê um resultado que meus olhos ignorantes não querem ver!? Quem sabe em três ou quatro anos o Esportivo não estará entre os grandes do futebol brasileiro novamente, disputando a Série C, Série D ou até mesmo a Série B do Campeonato Brasileiro? Difícil se o clube não encontra forças para disputar um campeonato “caseiro” que pode levar a uma destas competições nacionais. Perdoem o desabafo, mas minha espera por uma resposta incisiva, definitiva, chegou ao fim. E querem saber? O Esportivo não vai disputar a Copa RS. Tomara que a direção “me derrube do cavalo” e prove o contrário.

FIM DE FASE

Terminou a primeira fase do Estadual Juvenil para o Esportivo e, apesar da derrota na última rodada, o saldo é altamente positivo. O time fez uma campanha de luxo e chegou à segunda fase com louvor. Agora precisa melhorar em alguns aspectos. Trabalho que o treinador e seus comandados devem estar fazendo dia após dia. Os aspectos a serem melhorados? Ninguém melhor que Alceu de Souza e “seus pupilos” para responder. Na prática, acredito que o time precisa se ajustar para conquistar uma vitória significativa fora de casa. A partir daí tudo muda de figura e o avanço a novas fases virá como conseqüência.

UM POUCO DE POLÍTICA
Calma gente, não mudei o foco desta coluna, apenas quero aproveitar o espaço que me é cedido para cumprimentar de forma carinhosa e especial todos os meus conterrâneos. Santiaguenses que assim como eu hoje residem e têm Bento como sua segunda casa. Invariavelmente encontro velhos amigos e conhecidos pelas ruas da “terra do vinho”. A todos um grande abraço e o convite pra que continuem acompanhando nosso trabalho todas as sextas-feiras. Aproveito também que o momento é de “política” para convidá-los a acessar meu blog, cujo endereço está logo ali abaixo. Lá os assuntos não se restringem ao esporte, apesar de ocuparem grande parte do espaço. Grande semana a todos e até sexta que vem!

sábado, 5 de julho de 2008

Mudando os hábitos

Há pouco eu e a Ieda decidimos comer um xis (o do Mister Dog é show de bola). Como a concorrência pelo lanche tava grande e a espera duraria uma hora, resolvemos dar uma volta pelo centro. Nesse período de caminhada presenciei duas situações pra lá de interessantes que comprovam a mudança de hábitos pela qual os brasileiros passam desde a implantação da chamada "lei da tolerância zero". Logo na saída de casa presenciamos dois sujeitos, passados do ponto (se é que vocês me entendem) deixando o bar de táxi. Reflexo puro da nova medida implantada pelo governo. Bebeu, não dirige. Um tempo depois, dois casais passavam e a conversa tinha tudo a ver com a nova realidade. Eles combinavam que uma das mulheres dirigia o carro se eles fossem ao lugar que programavam, pois ela não bebe. Questão de hábito, de mudança de cultura. Ninguém está proibido de beber. Pelo contrário, você pode beber até cair de boca no chão. O que está sendo pedido há tempos, e agora virou regra porque o bicho homem precisa de regras para sobreviver, é que depois de "se entortar" você não dirija. A sua vida e a de gente que não tem nada a ver com seu porre estarão mais seguras assim. Por enquanto o jeito é esse. Não aidanta chorar. O negócio mesmo é se adaptar e ir mudando os hábitos.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

A saída do bailarino

Foto: Ricardo Duarte

A saída do Roger pegou todo mundo de surpresa, inclusive os dirigentes gremistas se formos levar em consideração as declarações do Presidente do Grêmio. Voltando uns meses no tempo lembro que fui um dos críticos da contratação do meia por achar que como "bailarino" que é, Roger jamais daria certo no futebol gaúcho. Confesso que fui surpreendido por boas atuações do namorado da Deborah Secco, inclusive no Gauchão. Com um tempo mais na equipe, com o time mais ajustado e alguns reforços que pudessem chegar ele teria chances de reeditar no tricolor os grande momentos que viveu no início da carreira, quando surgiu como promessa no Fluminense. Mas a história dele com o Grêmio acabou "de sopetão", como se diz. O que mais me impressiona nessa história toda (ele pertence ao Corinthians, que o negociou com o futebol do Catar) é a direção do Grêmio posar de vítima. Por favor, como dizem por aí, não tem mais ninguém bobo no futebol. Se a diretoria fazia tanta questão de ter o Roger à disposição por mais tempo, deveria ter feito um contrato maior, mais rentável no caso de uma saída repentina. Dormiu no ponto e "levou choque". Menos mal que o Grêmio deve economizar quase 70 mil mensais que podem ser investidos na vinda de outro jogador, mais jovem talvez e capaz de dar mais retorno que o Roger "cai-cai". Pra não dizer que a perda foi total, o Grêmio aproveitou bem o fato dele namorar a Deborah Secco e ganhou alguns minutos extras de fama com ela vestindo a camiseta tricolor. Como eu tô sempre dizendo, precisamos ver o lado bom das coisas, mesmo nas horas mais difíceis.

quinta-feira, 3 de julho de 2008

terça-feira, 1 de julho de 2008

Mais do mesmo...

CHOVENDO NO MOLHADO?
Cá estou eu, de novo, falando do Esportivo e da participação na Copa RS. E quero que fique bem claro que retomo o assunto porque o prazo para confirmação do clube na competição se esgotou esta semana. A Federação Gaúcha de Futebol resolveu prorrogar o tal prazo, mas, pelo andar da carruagem, amigo torcedor, vamos ter mesmo que ficar assistindo a times medíocres entrando em campo e conviver com lamentações do tipo: “Bem que poderia ser o Esportivo lá”. “O Esportivo poderia ter participado”. “Com esses times aí o Tivo teria chances de ser campeão”. É, parece que vamos ter mesmo que nos contentar em ficar como estamos, ou seja, sem futebol profissional na Montanha por mais seis meses.

E A MOTIVAÇÃO?
Aí me pergunto de novo: Que motivação terá o torcedor para ir a campo ano que vem? Será que a economia de agora vai resultar em contratações de peso para o Gauchão 2009? Ou será que vamos ter de novo um time mediano que surpreenderá no início e sucumbirá logo adiante? Perguntas que só o tempo vai resolver, porque a direção do Esportivo não tem condições de respondê-las a esta altura do campeonato. Quem sabe no futuro, aquele do planejamento estratégico, tudo isso dê um resultado que meus olhos ignorantes não querem ver!? Quem sabe em três ou quatro anos o Esportivo não estará entre os grandes do futebol brasileiro novamente, disputando a Série C, Série D ou até mesmo a Série B do Campeonato Brasileiro? Difícil se o clube não encontra forças para disputar um campeonato “caseiro” que pode levar a uma destas competições nacionais. Perdoem o desabafo, mas minha espera por uma resposta incisiva, definitiva, chegou ao fim. E querem saber? O Esportivo não vai disputar a Copa RS. Tomara que a direção “me derrube do cavalo” e prove o contrário.