A Casa da Música Boa - Clique e Ouça!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

O movimento dos jogadores é válido, sim senhor!

Juninho Pernambucano é um dos jogadores de qualidade que mais sofrem com o calendário. Foto: Flickr/Vasco
O movimento promovido por um grupo (grande) de jogadores profissionais para chamar a atenção da CBF para o calendário pretendido pela entidade - e já devidamente divulgado - é válido, e muito. Mesmo que alguns possam argumentar que jogadores são muito bem pagos para "simplesmente jogar futebol", obrigá-los a enfrentar rotinas quase desumanas de jogo-treino-jogo-viagem-treino-jogo com poucas horas para o descanso é um abuso.

Abuso de uma entidade desorganizada, que pouco faz para valorizar um dos melhores produtos que o Brasil tem para exportação. O calendário catastrófico de 2013 se repetir em 2014 é inadimissível, mesmo que haja a justificativa de apertá-lo por conta da Copa do Mundo.

O resultado dessa bagunça de datas, onde um clube é obrigado a jogar no sábado, na terça, na quinta e de novo no final de semana seguinte, são jogadores em frangalhos, sofrendo com uma lesão atrás da outra e um campeonato nivelado por baixo, já que muitos jogadores de qualidade (que são os que apanham mais) acabam ficando mais tempo no departamento médico do que em campo.

Se a associação que os representa nada faz por seus interesses, que os jogadores então exerçam pressão sobre a CBF. E que a grande mídia dê a esse caso a repercussão que ele merece hoje, amanhã e enquanto o assunto merecer destaque, estando em evidência ou não. Lógico que a tv tem seus interesses e eles jamais poderão bater de frente com os da CBF, mas também não se pode ignorar os personagens principais do espetáculo, que são os atletas (que antes de tudo são seres humanos).

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Feliz 'Série C' ao Juventude

Pode comemorar, papada, agora é Série C. Foto: Arthur Dallegrave/Juventude
Pois é gente, que diz eu escolhi para retomar minhas postagens por aqui! Um dia depois de o torcedor do Juventude ter lavado a alma e garantido sua volta à Série C do Brasileirão. Espero, sinceramente, que este seja o primeiro passo para outros acessos ao longo dos próximos anos. Sonhar com um retorno à Série A não é proibido, viu papada!!!!

Não tenho muito o que falar sobre a conquista, pois no fundo já previa que ela acontecesse por uma série de motivos que já havia exposto em pelo menos duas postagens anteriores, a primeira delas ainda lá no distante mês de maio.

Resta hoje então parabenizar a todos os torcedores, em especial a Bruna Bregagnol, do Blog O Que Querem as Gurias. E, claro, desejar um tantinho mais de sorte para que o Juventude possa levantar o caneco e coroar este belo ano de recuperação com um título nacional.

Fica aqui também o link da postagem mais recente, do final de agosto, e o texto postado em maio... Avante Papada!!!!

Texto publicado em 6 de maio de 2013

A caminho da Série C

Sim, sim, muitos vão dizer que estou sendo exagerado ao dar este título à postagem, mas a história recente me permite dizer com todas as letras que o Juventude está pra lá de cadastrado a uma das vagas para a Série C do Brasileirão. E não digo somente pelo ótimo jogo que fez contra o Inter. A evolução da equipe desde a frustrante desclassificação no primeiro turno e a ótima campanha na Taça Farroupilha é que me passam essa convicção.

Depois de teimar em ser mais cauteloso durante o famoso período da "empatite", Lisca ousou mais e - arrisco mais uma vez - só não chegou ao título do segundo turno exatamente por esse excesso de precaução. Tivesse mantido Rogerinho para o jogo decisivo, quem sabe a história não teria sido diferente? Poderia até o Inter encontrar mais espaços na defesa alviverde, mas, em contrapartida, o poder de fogo do Ju também estaria reforçado.

Mas não adianta ficar lamentando essa ou aquela decisão. Agora é levantar a cabeça, perceber que o time está bem, que está no caminho certo, e tentar evitar que erros assim possam acontecer lá adiante, como já foi em 2012, quando se fez um baita resultado no Jaconi e depois se assistiu o adversário jogar e a eliminação chegar.

O Juventude é candidatíssimo ao acesso, o que significa que começa a recuperar a dignidade perdida desde a queda vertigionosa. O torcedor já percebeu isso. A direção já colocou isso como prioridade, resta agora que os resultados dentro de campo completem essa corrente positiva. E, claro, sem deixar de lado os ajustes no grupo. Algumas saídas inevitáveis precisam de reposição a altura, o que parece já estar sendo providenciado. É por aí o caminho.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Sepultura e Zé Ramalho: peso-pesados de qualidade

E quem foi que disse que rock pesado e MPB não podem andar juntos? Quando se tem qualidade, tudo pode acontecer. E que venha o Rock in Rio com mais!!!!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Usa a base Dunga, usa a base!!!

Volta e meia me pego questionando sobre o que passa na cabeça de um treinador de futebol. Invariavelmente, não encontro as respostas. Mas confesso que sigo tentando.

A cabeça a ser desvendada neste momento é a do técnico Dunga. Entendo que ele - como todos os demais - tem suas convicções, tem os seus "favoritos" (os as ovelinhas, como no caso do Tite, lembram?), mas o que o técnico colorado deixa transparecer é a total falta de flexibilidade, medo de sair do feijão com arroz, de fazer apostas "fora do seu quadradinho".

Não consigo entender, por exemplo, como ele teimou em lançar o jovem Cláudio Winck mesmo com as duas primeiras opções (Gabriel e Ednei) fora por lesão. Preferiu investir em um improvisado e desengonçado Jorge Henrique por ali. Pior. Quando viu que não estava dando certo, tornou a improvisar, deslocando o volante Ygor.

E o garoto Otávio, por que não tem uma oportunidade de iniciar ao lado do D'Alessandro? Sim, na vaga do próprio Jorge Henrique, que não vem rendendo nada no meio também. Se não quer colocar o Alex, supostamente sem ritmo de jogo, por que não lançar o garoto?

E na zaga? Precisou tomar um susto contra o Salgueiro (tudo bem, nem foi um susto tão grande assim) para descobrir que o Ronaldo Alves joga menos que o Alan, outro garoto da base colorada.

É duro de entender que um time que não vence uma partida pelo Brasileirão há sete rodadas não tenha coragem de ousar uma vez que seja. Teve um tempo até que andaram falando em três atacantes, o que seria uma ousadia e tanto, mas nunca acreditei nessa hipótese.

Por que esse medo de colocar os meninos em campo Dunga? Você é um exemplo

de que todo jovem espera por uma oportunidade para mostrar seu verdadeiro valor. Ou já esqueceu de quando foi lançado no time profissional do Inter pouco tempo depois da inédita conquista do histórico título nacional invicto?

Foto: Ricardo Rímoli/Lancenet