A Casa da Música Boa - Clique e Ouça!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Amamos ou odiamos em menos de 4 minutos!



“A primeira impressão é a que fica”. Esta máxima popular nunca esteve tão certa!
De acordo com estudos, leva aproximadamente 4 minutos para que uma pessoa possa decidir se gosta ou não de outra.

E, nessa “análise inicial”, o que levamos em consideração não é principalmente a linguagem corporal do outro indivíduo, ou seja, o seu tom e velocidade de voz, os movimentos dos braços e mãos, as expressões faciais e etc.
Isso vai além de qualquer órbita...

Os sentidos despedaçam-se, todos em múltiplos cacos que ouvem, que calam, que produzem o suor e arrepio, a batida descompassada do coração traz um bom sinal de que você está prestes a ser feliz por qualquer coisa, a levantar suspiros do nada e fixar o olhar por mais de cinco minutos dentro do próprio olhar e da imaginação. Você está ferrado, então? Tá sim, a paixão te pegou em menos de 4 minutos...

A primeira impressão é a que fica e aí é que a fisiologia do corpo, da mente e do espírito, fazem um plim como nunca feito antes.

Nada é tão bom quanto resumir a vida da outra pessoa dentro de si. Nada é tão bom quanto dialogar sobre as coisas comuns que as unem e as diferentes que também conectam. Tudo, afinal, faz algum tipo de ligação. Não tem tempo ruim. O Sol leva ao Mar e a chuva ao cinema, ao filme que também parece que conta a história dos dois.

A paixão é um emaranhado de sensações inéditas. O amor é a compreensão de que não somos responsáveis pelas escolhas dos outros, um dia ele vai embora, bate asas e voa. Como também fica enquanto o pra sempre quiser, aliados ao amadurecimento, sem importância aos sentimentos dos antepassados de ex.

O entendimento de que não precisamos insistir nas escolhas do outro e fuxicar seu telefone já é o suficiente para garantir a própria liberdade e autoconhecimento. Tornando-se preparado a viver quantos amores desejar.

Mas a paixão e o amor, esses acordaram juntos, bem tarde, e não fizeram questão de dar explicação.  Não tem explicação, explicação não tem...  Enquanto isso, sigo pensando que nunca estaremos satisfeitos, ainda bem!

Paixão só faz mal quando não é correspondida. Mas depois passa e percebemos o bem que o mal nos fez. É sempre assim. Não é?
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário: